sábado, setembro 19, 2009

19/09

Chegou ao fim a minha primeira semana do ano lectivo em Aveiro, e com ela o meu jejum de internet. Confesso que se de outra época se tratasse, já teria trepado às paredes e amaldiçoado com todas as minhas forças os funcionários da Sapo que ainda não tiveram a decência de proceder à instalação da internet na minha nova habitação. Mas não. Andei demasiado ocupada e entusiasmada com o início das praxes.


É incrível como o simples envergar do traje académico nos faz ver as coisas de prismas diferentes. Percebi no decorrer da semana que o que move um estudante universitário a cobrir-se de fazenda negra sob os raios de sol dos últimos dias de Verão e manter-se de pé horas a fio apoiado nuns pés dolorosamente massacrados pelo desconforto dos sapatos, não é a ânsia de humilhar os novos estudantes, mas a vontade de os integrar da melhor forma possível naquela que será a sua casa nos anos vindouros, e transmitir-lhes o orgulho pelo curso (o que se revela uma tarefa ingrata quando a maioria chega de alma ferida por não poder estudar Medicina) e, sobretudo, pela academia.
Hoje os novos aspirantes a biomédicos ignoram que nos meses que se seguem serão incontáveis os dias em que, vencidos pelo cansaço e desalento e de rosto banhado de lágrimas, correrão até casa decididos a desistir, ou ainda a quantidade de vezes em que se sentirão perdidos nos meandros do PBL... mas principalmente, ignoram que jamais serão capazes de abandonar esta família que agora os acolhe.

4 comentários:

matilde disse...

está tão querido, gosto mesmo (:

Minii Cê™ disse...

gosh, às vezes, é tão desanimador ver que praticamente passaste a vida a sonhar com uma coisa que quando chega a hora H não te preenche e te deixa de rastos, a fazer-te sentir uma inutil e sei lá mais o quê. eu não era, de todo, feliz naquele curso e custou-me muito deixar definitivamente aquilo. já era para desistir no ano passado, mas fiquei naquela "é o primeiro ano, é sempre ranhoso e para o ano a coisa vai ser mais especifica logo poderei gostar mais" e enganhei-me. detestei ainda mais e a unica opção era mesmo parar aquilo. não só eu estava infeliz como os meus pais estavam a gastar rios de dinheiro com uma coisa que eu nao estava a conseguir levar para a frente. eu normalmente ainda aguentava o primeiro semestre, mas no segundo já nao tinha forças para continuar com uma coisa que me punha a cada dia mais doente, infeliz e deprimida.

vou, sem duvida, aproveitar para tentar descobri o caminho definitivo para o meu futuro, para o meu melhor futuro. já tenho algumas ideias e agora vejo que o meu erro não está agora em sair, mas sim na area que segui anos atras. sempre fui inflenciada pela area de ciencias. toda a minha familia esta em algum curso relacionado com ciencias - ou é saude ou ambiente, etc - e com isso nunca coloquei em causa outra coisa que não fosse ir para isso. mas não foi consciente nem da minha parte nem por parte da minha familia. foi natural. e não culpo ngm por isso. se calhar até tinha que passar por isto para poder chegar a esta conclusao.

como tento colocar na minha cabeça, nao foram anos perdidos, foram anos estacionarios para uma preparação de um melhor crescimento. aprendi coisas que num futuro posso usar, mesmo que nao esteja dentro da área.

gosh, ganda testamento, desculpa lá :$ pus-me a falar e nc mais me calei. xD

beijinhos *

matilde disse...

oh, és um amor de rapariga.
Sim, eu sei. Aprendi a amar. Amar a vida, amigos, tudo. Amar é melhor do que eu pensava, claro que faz estragos mas chega sempre a compensar. *

girlsaredeathproof disse...

Eu não tenho grande espirito académico se calhar um pouco por causa da faculdade onde estou... Mas é bom ver que ainda existe :)

O regresso às aulas acaba por ter sempre qualquer coisinha de bom :P

Beijinhoo*